As cinco mancadas capitais para o fracasso do Paysandu

17/08/2009

1) A mudança de preparador físico. Com Rodrigo Poletto, que chegou junto com o técnico Édson Gaúcho, o Paysandu foi incansável durante o Parazão, apesar dos gramados castigados pelo período de chuvas. Mas Poletto deixou a Curuzu por problemas familiares e foi substituído por Cláudio Café, que impôs aos jogadores um ritmo bem mais severo de treinamentos físicos. Os atletas sentiram a diferença, começaram a reclamar e a sofrer uma série de lesões. Até o meio-campo Mael, que fez mais de 30 partidas seguidas como titular e era um exemplo de vigor, se machucou. Além disso, o Papão sempre chegava ao segundo tempo no limite do cansaço. Quando Café foi demitido junto com Édson Gaúcho, o novo preparador físico Maurício Matos até se esforçou para reverter a situação. Mas já era tarde demais.

2) Acreditar que o time não precisava de reforços. O Paysandu ganhou o campeonato paraense com um pé nas costas e isso levou muita gente (presidente e comissão técnica inclusive) a acreditar que a base já era boa o suficiente para disputar o Brasileiro. Só esqueceram de analisar que, no Parazão, o Bicola só enfrentou rivais fraquíssimos. Até mesmo o São Raimundo, vice-campeão que aprontou para cima de todo mundo e tremeu em quase todas as partidas contra o Papão. A insuficiência do elenco bicolor ficou ainda mais clara nas duas primeiras rodadas da série C, em que o Paysandu venceu o Sampaio Corrêa e o Rio Branco. Mas como foram vitórias, as más atuações acabaram varridas para baixo do tapete.

3) As desculpas furadas permanentes. Quando o Paysandu foi goleado pelo Rio Branco (4×0 na Arena da Floresta), a justificativa para a derrota sonora foi a cansativa viagem até o Acre. Engraçado é que, quando o Papão ganhou do Boca em La Bombonera, o deslocamento até Buenos Aires (mais demorado que o trajeto até Rio Branco) não atrapalhou… Outra: quando começou a onda de contusões entre os jogadores, falou-se que eles estavam sentindo a “maratona de jogos”. Explicação impertinente. Entre a decisão do Paraense e o início do Brasileiro, o Paysandu teve um intervalo de três semanas. Durante a disputa da série C (em que só se fazia um jogo por semana), o Papão teve dois intervalos longos: três semanas entre a primeira e a segunda partida, e 17 dias entre a penúltima e a última.

4) A demissão de Édson Gaúcho. O treinador tinha algumas teimosias, como insistir em escalar os criticados Roni e Luciano na zaga, mas conhecia bem o elenco. E a decisão de demiti-lo aconteceu na hora mais inoportuna: exatamente no meio da primeira fase, quando a classificação para o mata-mata ainda era uma missão razoavelmente tranqüila. A mudança desestabilizou o ambiente e acabou se mostrando inócua, já que o substituto Válter Lima venceu apenas um dos seis jogos que disputou.

5) A insistência em assuntos menos importantes. Em vez de procurar reforços para o time, o presidente Luiz Omar Pinheiro preferiu gastar o tempo com a briga contra a transmissão dos jogos do Paysandu para Belém pela TV Cultura. Ou ainda na tentativa inverossímil de contratar o já aposentado atacante Edmundo.

Anúncios

Ditadura da magreza

24/05/2009

A série C está longe de ser uma passarela de MODA, mas, pelo menos para os clubes paraenses, a primeira rodada foi marcada pela ditadura da MAGREZA. Vitórias pelo chamado placar mínimo, tanto no COLOSSO DO BENGUÍ quanto no simpático e aprazível ROSENÃO, no sudeste do Pará.

Em Belém, 17 mil torcedores foram ao Mangueirão prestigiar a estreia do PAYSANDU contra o Sampaio Corrêa. E o Papão não se fez de rogado. Logo no começo do jogo, chamou os maranhenses para o CARIMBÓ e fez 1×0 com uma cabeçada meio desajeitada de Zé Carlos, atacante que não cumpria seu ofício de estufar o FILÓ havia dois meses. Parecia que ia rolar uma saraivada histórica, só que o Bicola fraquejou. Tomou bola na trave e o escambau. O que poderia ser uma partidaça virar um JOGUINHO SAFADO, principalmente por causa da chuva. Ficou no 1×0 mesmo.

Em Parauapebas, o BRIOSO Águia de Marabá recebeu o não menos impetuoso Rio Branco. Não tenho muitas informações a respeito deste EMBATE, mas vi que o PRÉLIO foi decidido no início do segundo tempo com um gol de cabeça de Bruno Rangel, que tinha entrado no intervalo. Os conterrâneos de CHICO MENDES jogaram com tanto ímpeto como se tivessem um SERINGAL a defender, mas o escrete azul conseguiu segurar o resultado e garantir os três pontos na primeira rodada.

O LOVER DANCE, que assistiu a tudo isso de camarote em sua plantação de soja, estreia na semana que vem contra o Rio Branco. O Águia joga fora de casa contra o BOLÍVIA QUERIDA. O Paysandu será o agraciado com um RECESSO na próxima rodada. Volta a jogar só daqui a três semanas, contra o Rio Branco.

31/05
Rio Branco x Luverdense
Sampaio Corrêa x Águia

14/06
Paysandu x Rio Branco
Luverdense x Águia


E começa o baile…

23/05/2009

Esqueçam os novos craques badalados, as transmissões concorridíssimas na TV, as disputas por vagas em competições internacionais… É nos rincões do país, em campos não necessariamente ESMERALDINOS e frequentados por OUTSIDERS da bola, que começa a ser disputado neste domingo aquele que talvez seja o mais brasileiro dos campeonatos: a TERCEIRONA. É uma saraivada de TERÇADADAS no escuro: 20 clubes das 5 regiões do país disputando 4 vagas na série B do ano que vem.  Tudo isso num espírito de arrancadão: uma EQUIPA pode garantir o acesso depois de passar por apenas 10 jogos. Para o leitor perceber o caminho encurtou, ano passado os privilegiados que subiram para a Segundona duelaram 32 vezes.

Mas não pense que menos jogos tornam a disputa menos ferrenha. Os participantes do CERTAME estão divididos em quatro grupos regionalizados com cinco clubes cada um. Enfrentam-se entre si em turno e returno. Os dois melhores SEGUEM para a segunda fase. O pior colocado de cada chave cai para a QUARTONA/2010. Ou seja, afinou-se a linha que separa uma campanha ORDINÁRIA de um VEXAME completo.

Os representantes do Pará (Paysandu e Águia de Marabá) estão juntos no grupo 1 do campeonato, ao lado de RIO BRANCO, SAMPAIO CORRÊA e LUVERDENSE (que alguns criativos rebatizaram como LOVER DANCE). É uma chave que pode até parecer inofensiva, mas que certamente será disputada com a fúria dos principais DESMATADORES da Amazônia. Chico Mendes teria medo de jogar essa terceirona. O clássico entre os revolucionários da CABANAGEM e da BALAIADA não seria tão pujante quanto um jogo deste grupo.

Travinha se coloca a serviço dos palpiteiros profissionais e amadores e traz algumas CONJECTURAS para a chave AMAZÔNIA LEGAL da Terceirona.

PAYSANDU – é o favorito disparado. Campeão paraense com sobras, chega à terceirona com um bom elenco, um bom treinador e com a expectativa de colocar pelo menos 30 mil torcedores por jogo no Mangueirão. Tem na MEIÚCA os principais nomes do time: Vélber (eleito o craque do campeonato paraense) e Zeziel (autor de quatro gols nos dois jogos da final do estadual).

ÁGUIA DE MARABÁ – foi o melhor paraense na Terceirona do ano passado e ficou a apenas um gol do acesso à série B. Este ano, não foi tão bem no estadual mas REVERBEROU-SE pela Copa do Brasil, depois de eliminar o América Mineiro na casa do adversário e de vencer o Fluminense de Fred e Parreira em Belém. Perdeu três jogadores importantes (o goleiro Ângelo, o meio-campo Flamel e o atacante Aleílson), mas contratou reforços à altura. Pode complicar a vida dos adversários no acanhado ROSENÃO, em Parauapebas. Deverá disputar uma das vagas na segunda fase.

LUVERDENSE – segue o jeito BARUERI de ser. Clube novo (quatro anos de fundação), com apoio financeiro forte da prefeitura e uma estrutura razoável. Acabou de conquistar o MATOGROSSENSÃO pela primeira vez e chega com força para fazer frente ao favorito Paysandu. Tem como destaques dois jogadores conhecidos pela torcida paraense: o TAPA PENALES Ronaldo e o habilidoso camisa 10 Maico Gaúcho.

RIO BRANCO – ano passado, saiu apavorando nas três primeiras fases da série C. No octogonal final, acabou perdendo para o cansaço das longas viagens entre o Acre e o resto do Brasil. Este ano, começou mal. Saiu da Copa do Brasil na primeira fase, não chegou nem à final do ACREANÃO… A diretoria investiu na contratação de reforços para a Terceirona, mas o Estrelão dificilmente passa para a segunda fase.

SAMPAIO CORRÊA – merecia um prêmio só pelo apelido BOLÍVIA QUERIDA, provavelmente o mais legal do Brasil. Só que na Terceirona, vai ser difícil ver o tricolor maranhense emplacar. Com um elenco que tem nomes como THIAGO MIRACEMA, CÉLIO CODÓ e está à espera da regularização do MATADOR Lindoval, não há muita expectativa. Quartona fácil no ano que vem!

A primeira jornada, neste domingo (24-05):

16h – Águia x Rio Branco

18h – Paysandu x Sampaio


O “tapa penales” de Lucas do Rio Verde

18/05/2009

ronaldo goleiro

O goleiro Ronaldo, que jogou no Paysandu entre 1998 e 2008, foi o herói da conquista do título mato-grossense pelo Luverdense, neste domingo. E assim como fez no Bicola várias vezes, ele se consagrou na decisão por pênaltis. A final foi contra o Araguaia, no estádio Bilinão, no município de Alto Araguaia. No tempo normal, foram muitas chances desperdiçadas pelos dois times. Inclusive por outro velho conhecido do torcedor paraense, o meio-campo Maico Gaúcho, que também está no Luverdense. O jogo terminou 0x0 e a decisão foi para os pênaltis. E aí brilhou a estrela de Ronaldo. Com os pés, ele defendeu a cobrança de Fabinho. Com a mão esquerda, impediu o gol de Newman. Leandro fechou a série: Luverdense 4, Araguaia 2. O resultado deu ao Luverdense o título estadual pela primeira vez.

Pelo Papão, Ronaldo se acostumou a ser decisivo nos pênaltis. Em 2005, na decisão do primeiro turno do Parazão contra o Remo, ele defendeu três cobranças. No segundo turno, ele se destacou de novo, defendendo o pênalti de Barata. E o Papão conquistou o título estadual por antecipação. Em 2006, o Remo foi a vítima de novo: mais uma cobrança defendida e taça garantida na final do primeiro turno. E na decisão do campeonato, contra o Ananindeua, pegou duas cobranças e levou o Papão ao bi.

Na série C, o Luverdense é um dos adversários do Paysandu na primeira fase. Será que Ronaldo “pega-penais” vai atravessar o caminho do Papão?


43

10/05/2009

paysandu campeão

Deu a lógica. Por mais que o São Raimundo tenha demonstrado a força que lhe faltou na primeira partida da decisão, o Paysandu venceu o jogo de volta da final e conquistou com todos os méritos o campeonato paraense de 2009. É o 43º troféu estadual na estante do Papão, que desempatou a disputa com o Remo e passou a ser o maior vencedor do Parazão.

O melhor time do campeonato colhe o que plantou. Começou a preparação mais cedo, escolheu o treinador e os reforços com uma razoável antecedência, fez uma pré-temporada bem organizada, corrigiu erros durante a competição e cresceu nos momentos decisivos. Os atritos com a imprensa, que provocaram dias tempestuosos na Curuzu, acabaram não comprometendo o bom conjunto que já se havia criado. Agora, o Papão sai fortalecido do estadual e chega ao campeonato brasileiro da série C como favorito ao acesso.


Fim da folga

08/05/2009

Caros leitores, o recesso terminou. Meus dias portenhos foram interessantes, com direito à perda de um “cabaço bombonerense”. Pela primeira vez, assisti a um jogo no mítico estádio do Boca Juniors. E a torcida xeneize, apesar de impressionante, ainda me pareceu menos louca que a do Rosario Central (que conheci pessoalmente e relatei neste post).

De longe, acompanhei ao placar de tênis na primeira decisão do campeonato paraense. Não imaginava que o jogo entre Paysandu e São Raimundo fosse tão desequilibrado, por mais que o Pantera tenha feito várias partidas pífias contra o Papão nesta temporada. A conversa de água batizada com sonífero ou de corpo mole parece mais desculpa de mau perdedor do que outra coisa. Não há o que discutir: o título é do Paysandu, com todos os méritos e sem a mínima possibilidade de surpresa na final deste sábado.

Depois da cerimônia da entrega da taça, as atenções se voltam para o campeonato brasileiro. O Papão já começa a se azeitar para a Terceirona, competição em que dificilmente deixará de ser um dos favoritos ao título. O Pantera, que vai disputar a Quartona, tenta segurar o assédio em cima de jogadores como Michel e Hélcio para os clubes paraenses da série C.


Remo vence o Re-Pa 700

12/04/2009

Alguém precisa arrumar as estatísticas de internações em UTIs cardiológicas do Pará neste domingo. O herói que conseguir esse número certamente vai encontrar um recorde absoluto na história hospitalar do estado. Porque, me perdoem o clichê, o Re-Pa 700 foi de arrebentar átrios, ventrículos e sistemas circulatórios completos.

 

Antes do jogo, os analistas cartesianos do futebol cravariam palpites secos no Paysandu. O Papão tem um time superior, tem a melhor campanha, o Remo tinha acabado de sofrer uma derrota para o Flamengo batendo uma bolinha vexatória… E o Bicola ainda jogava pelo empate. Bastava jogar o feijão com arroz para segurar qualquer ímpeto dos remistas.

 

Só que um jogo de futebol não se ganha com logaritmos, regras de três e nem fórmulas mirabolantes. É preciso mais coração do que lógica. E foi isso que o Remo colocou em prática desde o primeiro minuto de jogo. Na base do abafa, o Leão abriu o placar com menos de 10 minutos de bola rolando. E numa partida impecável dos zagueiros Rogério Corrêa e Márcio Pereira, superou toda a pressão que tomou do Paysandu no primeiro tempo. Era chutão prum lado, cabeçada pro outro… Como tem que ser. E o Remo ainda fez 2×0 no finalzinho da primeira etapa com um gol de pênalti.

 

No segundo tempo, o Paysandu continuou botando sufoco. E quase se deu bem numa confusão sem precedentes criada pelo árbitro gaúcho Leandro Vuaden. Num lançamento para o ataque do Bicola, Zé Augusto recebeu a bola em impedimento depois que o zagueiro remista Rogério Corrêa tocou com a mão. Na hora, o juiz apitou marcando pênalti. Depois de consultar o bandeirinha, voltou atrás e marcou impedimento. Aí o bate-boca aumentou. Inseguro, o homem do apito voltou ao auxiliar e mudou de opinião novamente: assinalou o penal a favor do Paysandu. Só para dramatizar ainda mais a história, Rossini chutou na trave.

 

O quiproquó acabou rendendo cinco minutos de acréscimo no fim do jogo. Logo aos 46, Reinaldo marcou o gol de honra do Paysandu e fez com que os remistas temessem a eliminação no campeonato estadual e o fracasso na conquista de uma vaga para a série D do brasileiro. Foram quatro minutos de ecocardiogramas batendo no teto, e o Papão acabou ficando só no quase.

 

O Remo vai decidir o segundo turno do Parazão com o São Raimundo, que venceu o Águia por 3×2. O primeiro jogo é no dia 19 em Belém. O segundo, no dia 26 em Santarém. O vencedor pega o Paysandu na decisão do campeonato, nos dias 3 e 10 de maio.