As cinco mancadas capitais para o fracasso do Paysandu

17/08/2009

1) A mudança de preparador físico. Com Rodrigo Poletto, que chegou junto com o técnico Édson Gaúcho, o Paysandu foi incansável durante o Parazão, apesar dos gramados castigados pelo período de chuvas. Mas Poletto deixou a Curuzu por problemas familiares e foi substituído por Cláudio Café, que impôs aos jogadores um ritmo bem mais severo de treinamentos físicos. Os atletas sentiram a diferença, começaram a reclamar e a sofrer uma série de lesões. Até o meio-campo Mael, que fez mais de 30 partidas seguidas como titular e era um exemplo de vigor, se machucou. Além disso, o Papão sempre chegava ao segundo tempo no limite do cansaço. Quando Café foi demitido junto com Édson Gaúcho, o novo preparador físico Maurício Matos até se esforçou para reverter a situação. Mas já era tarde demais.

2) Acreditar que o time não precisava de reforços. O Paysandu ganhou o campeonato paraense com um pé nas costas e isso levou muita gente (presidente e comissão técnica inclusive) a acreditar que a base já era boa o suficiente para disputar o Brasileiro. Só esqueceram de analisar que, no Parazão, o Bicola só enfrentou rivais fraquíssimos. Até mesmo o São Raimundo, vice-campeão que aprontou para cima de todo mundo e tremeu em quase todas as partidas contra o Papão. A insuficiência do elenco bicolor ficou ainda mais clara nas duas primeiras rodadas da série C, em que o Paysandu venceu o Sampaio Corrêa e o Rio Branco. Mas como foram vitórias, as más atuações acabaram varridas para baixo do tapete.

3) As desculpas furadas permanentes. Quando o Paysandu foi goleado pelo Rio Branco (4×0 na Arena da Floresta), a justificativa para a derrota sonora foi a cansativa viagem até o Acre. Engraçado é que, quando o Papão ganhou do Boca em La Bombonera, o deslocamento até Buenos Aires (mais demorado que o trajeto até Rio Branco) não atrapalhou… Outra: quando começou a onda de contusões entre os jogadores, falou-se que eles estavam sentindo a “maratona de jogos”. Explicação impertinente. Entre a decisão do Paraense e o início do Brasileiro, o Paysandu teve um intervalo de três semanas. Durante a disputa da série C (em que só se fazia um jogo por semana), o Papão teve dois intervalos longos: três semanas entre a primeira e a segunda partida, e 17 dias entre a penúltima e a última.

4) A demissão de Édson Gaúcho. O treinador tinha algumas teimosias, como insistir em escalar os criticados Roni e Luciano na zaga, mas conhecia bem o elenco. E a decisão de demiti-lo aconteceu na hora mais inoportuna: exatamente no meio da primeira fase, quando a classificação para o mata-mata ainda era uma missão razoavelmente tranqüila. A mudança desestabilizou o ambiente e acabou se mostrando inócua, já que o substituto Válter Lima venceu apenas um dos seis jogos que disputou.

5) A insistência em assuntos menos importantes. Em vez de procurar reforços para o time, o presidente Luiz Omar Pinheiro preferiu gastar o tempo com a briga contra a transmissão dos jogos do Paysandu para Belém pela TV Cultura. Ou ainda na tentativa inverossímil de contratar o já aposentado atacante Edmundo.