Favas contadas?

28/02/2009

É racional crer que o Paysandu já é campeão do primeiro turno. Tem o melhor time e tem uma vantagem de três gols que o São Raimundo precisa tirar no jogo de volta. Só que, ao mesmo tempo, é justo lembrar que a história recente do futebol mostra exemplos de placares semelhantes revertidos em menos de 90 minutos. Desde o Paysandu x Caxias da série B de 2001, passando pelo Vasco x Palmeiras na Mercosul de 1999 e chegando ao Liverpool x Milan na Liga dos Campeões da UEFA de 2005.

 

21 mil e 500 ingressos foram colocados à venda. Um número bem mais à altura de uma decisão do que os 12 mil e 500 do primeiro jogo (dos quais, apenas 50% foram vendidos).


Cresce a colônia paraense em Mogi

28/02/2009

andrezinho

 

O meio-campo paraense Andrezinho, de 23 anos, foi anunciado ontem como novo reforço do Mogi Mirim. André Francisco Williams Rocha da Silva estava no Paulista de Jundiaí, mas já vestiu a camisa do Corinthians e do Guarani.

 

Nascido em Capitão Poço, município a 226 quilômetros de Belém, Andrezinho começou a carreira nas categorias de base do Remo. O grande momento dele no Baenão foi no início da temporada de 2007, quando subiu para os profissionais e foi direto vestir a camisa 10. Tudo graças ao técnico Giba, que apostou no jovem atleta. Começou bem no Parazão daquele ano, mas depois das primeiras atuações apagadas e da demissão do treinador, foi perdendo espaço. Depois da série B, foi contratado pelo Corinthians e emprestado ao Guarani.

 

Andrezinho vai encarar uma fogueira. O Mogi é o vice-lanterna da série A-1 do Paulistão, com apenas cinco pontos. Venceu somente um dos dez jogos que disputou. Lá, a cobrança vai ser grande. O “patrão” é ninguém menos que o ex-camisa 10 da seleção brasileira e do Barcelona, Rivaldo, que está jogando em um clube do Uzbequistão. Em uma carta publicada no site oficial do Mogi Mirim, olhem só o que ele diz:

 

Estou envergonhado e perdendo várias noites de sono do outro lado do mundo para acompanhar o meu time e não estou vendo resultado.” (…) “Os jogadores precisam valorizar a camisa que estão vestindo e querer vencer na vida”.

 

O recado está dado, Andrezinho.

 

O ex-remista terá a companhia de dois paraenses que já estão no Mogi. O atacante Diego Ratinho, que jogou no Remo em 2006, e o meio-campo Giovanni, ex-Barcelona, Santos e seleção brasileira.

 

diegoratinho          giovanni


Desafinados no futebol e no samba

27/02/2009

Por Pedrox Loureiro

 

“Não entendi o enredo deste samba, amor
Já desfilei na passarela do teu coração
Gastei a subvenção do amor que você me entregou
Passei pro segundo terceiro grupo e com razão…”

 

A letra é da canção Enredo do meu samba (D. Ivone Lara e Jorge Aragão), mas o grifo é do blog.

 

O Remo está se aperfeiçoando em rebaixamentos. Só nesta década o clube da Antônio Baena caiu duas vezes para a série C (2004 e 2007) e ano passado alcançou a façanha de não se manter na terceira divisão do futebol brasileiro, sendo agora pleiteante a uma vaga na recém-criada e já temida série D.

 

Desafinados no futebol, os remistas também foram infelizes no carnaval. Levaram o mau agouro para a avenida em 720 brincantes distribuídos em 9 alas. Aos sete anos de existência, a Sociedade Cultural do Pará Escola de Samba Embaixadores Azulinos levou para a Aldeia Cabana – passarela do samba belenense – o tema ‘A Lenda do Leão Azul – Da Grécia ao Baenão’. A organização da escola de samba queria desfazer a idéia de que o mascote é apenas um leão pintado de azul, explicando que a simbologia vai muito além.

 

Segundo o enredo, no ano 33 a.C., teria havido uma batalha sangrenta entre o Leão Azul e três górgonas (criaturas da mitologia grega com aspecto feminino que tinham o poder de petrificar aqueles que as olhassem). Na luta, o Leão conseguiu derrotar Esteno e Euríale, mas não Medusa, que o transformou em pedra de cor azulada. Nas primeiras olimpíadas, que datam de 1896 e foram realizadas justamente na Grécia, antropólogos paraenses foram até lá e trouxeram uma réplica do Leão Azul para Belém e em 1905, quando foi fundado o Clube do Remo, a estátua foi escolhida como mascote por representar glória e triunfo.

 

A agremiação carnavalesca, fundada e mantida por torcedores do Remo, exautou o maior de seus simbolos e outro rebaixamento aconteceu. Confira o resultado da apuração (do 2º grupo) do Carnaval 2009 de Belém:

 

 A5.pdf

 

1º Lugar: Alegria-Alegria – 229,5 pontos

2º Lugar: Xodó da Nega – 226,5 pontos

Rebaixada: Embaixadores Azulinos – 188,5 pontos

 

Seja no Baenão, no Mangueirão ou na Aldeia Cabana, depois dessas a torcida do Remo vai precisar de reza braba para acabar com a urucubaca. Do contrário é preferível mudar o nome da escola de samba para Rebaixadores Azulinos.


Agora falando sério…

27/02/2009

paysandu

 

Enquanto o São Raimundo estava com 11 jogadores, a partida foi equilibrada. A partir da expulsão de Marcelo Pitbull, o Paysandu passou a sobrar em campo. Mas não apenas pela vantagem numérica, e sim pela qualidade do futebol. O Papão tem o melhor elenco do campeonato paraense. E o jogo de ontem é a prova definitiva de que não é um amontoado de bons jogadores e sim um grande time.

 

O artilheiro Hélcio fez falta ao São Raimundo, que teve bons momentos no ataque mas não soube finalizar.

 

Mesmo com o retorno do goleador no jogo de domingo, só um milagre faz o time de Santarém tirar a taça da Curuzu.


Paysandu x São Raimundo, em trocadilhos

27/02/2009

No Papão, o goleiro Rafael estava com a Córdova toda.

 

Balão entrou no segundo tempo cheio de gás para decidir o jogo.

 

Marcelo Pitbull quis latir mais alto e acabou mandado para o canil mais cedo.

 

Garrinchinha ficou com as pernas tortas de tanto tentar, mas não deu para o São Raimundo.


O dono da meia cancha

26/02/2009

sandro_g

Na minha opinião, o volante Sandro foi o jogador mais regular da grande época do Paysandu. Titular absoluto durante quase cinco anos, fez mais que o papel do “carregador de piano” dos cabeças de área à moda antiga. Bom no desarme, no passe, nas cobranças de falta… E, acima de tudo, um líder.

 

Sandro saiu da Curuzu em 2005 rumo ao Grêmio. No imortal tricolor, virou capitão em pouco tempo. E foi um dos grandes destaques na campanha da volta à série A. Ano passado, foi contratado pelo Sport Recife e hoje disputa mais uma Libertadores (depois de 2003 pelo Paysandu e 2007 pelo Grêmio).

 

“Encomendei” ao amigo Tiago Medeiros (do excelente blog Futebol Nordestino) um texto sobre Sandro, agora Sandro Goiano. Antes de mandar o relato completo, Tiago adiantou algo que é suficiente para crer que o ex-camisa 8 do Papão continua jogando o fino.

 

“Ele esteve na reserva no ultimo jogo, mas sempre volta ao time titular, tem a confiança de Nelsinho e da torcida. Fez valer sua contratação. É respeitado pela torcida. Quando Nelsinho quer um time mais pegador, mais marcação, usa Andrade… quando quer mais qualidade no passe, saída de jogo, vai com Sandro.”


Últimas de Paysandu x São Raimundo

26/02/2009

O atacante Reinaldo não foi relacionado para ficar no banco de reservas do Papão hoje à noite. O nome dele ainda não saiu no Boletim Informativo Diário da CBF, ou seja, não está regularizado. Reinaldo veio a Belém para assinar com o Remo, mas foi dispensado pelo clube azulino porque levaria três semanas para voltar à forma (fez uma cirurgia no joelho recentemente). O Paysandu apostou na recuperação do ex-atacante do Criciúma e o aguarda agora para o segundo turno do Parazão.

 

Paulo de Tárcio deve ser o substituto de Alex Sandro, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. A Fiel espera que ele não repita a péssima atuação do outro jogo em que foi titular, contra o Time Negra.